REGULAMENTO INTERNO EMPRESARIAL E A GESTÃO DE PESSOAS.

Como sua empresa está se ajustando à essa diretriz da reforma trabalhista?

No Louvre, maior museu do mundo, há um grande bloco de pedra com mais de 2 metros de altura, esculpido com 282 artigos de lei. Tem mais de 3.500 anos. É o Código Hamurabi, tido como primeiro código de conduta da humanidade: nele estão as raízes do direito e da primeira legislação, na civilização babilônica.

Há milênios sonha-se em encontrar um jeito de melhor organizar as pessoas através de regras que ajudem na solução de conflitos.  Conciliar o justo e o humano é o grande desafio que as empresas enfrentam como principal agente de desenvolvimento econômico e social no mundo moderno. O ser humano passa a maior parte do tempo de sua vida no mundo do trabalho: cresce significativamente o nível de exigência em relação a responsabilidade corporativa e a responsabilidade individual.

Nesse sentido, a reforma trabalhista previu  a criação do REGULAMENTO INTERNO DA EMPRESA conforme consta na  Lei 13.467 /2017, artigo 611-A, inciso VI. Isso ganha importância dentro do espírito da nova lei em que o negociado prevalece sobre o legislado.

O regulamento interno torna-se ferramenta básica de compliance e de prevenção do passivo trabalhista, que no âmbito das maiores empresas soma bilhões de reais.

Visando clarificar obrigações e direitos compartilhados entre empresa e colaboradores, para a construção de um ambiente de trabalho produtivo e saudável, o Regulamento Interno cobre tópicos de Gestão de Pessoas tais como: Admissão, Desligamento, Horário de Trabalho e Controle de Presença, Férias e Licenças, Remuneração e Pagamento, Uso de Recursos Eletrônicos (e-mails, internet, redes sociais, etc.) e Equipamentos, Mobilidade no Local de Trabalho e Transferências, Visitas, Vestimentas, Informações Confidenciais, Saúde, Segurança e Meio Ambiente, Responsabilidades dos Colaboradores, Relações Interpessoais (Chefes, Colegas, Subordinados), Medidas Disciplinares por Violação do Regulamento e Canais de Comunicação.

É desejável que o “Regulamento Interno” complemente o “Código de Conduta Ética Corporativo”. Muitas vezes, esses dois instrumentos são tratados de forma separada, porém devem ser concebidos e implementados dentro de uma visão integrada, porque tem propósitos comuns. Recomenda-se a formação de grupos multifuncionais com representantes das áreas de Relações Trabalhistas, Jurídico, Compliance, RH, Comunicação, etc. O cuidado com a implementação e a gestão do regulamento e do código, no dia a dia, é muito mais importante do que sua mera criação.  Qual o papel das lideranças formais e informais e como prepara-las? Que aspectos da cultura organizacional precisam ser trabalhados visando o comprometimento de todos?

O seguro e equilibrado gerenciamento do regulamento empresarial contribuirá para preservar a imagem do funcionário e da organização. Uma das maiores empresas brasileiras pagará R$ 400 milhões por dano moral coletivo, mas, nos tempos atuais, a credibilidade vai muito além de indicadores monetários. Como afirmou Warren Buffet, megainvestidor e o terceiro homem mais rico do mundo, ao Wall Street Journal: “nós podemos arcar com a perda do dinheiro, mesmo muito dinheiro. Porém, nós não podemos arcar com a perda da reputação, mesmo que um pequeno fragmento de reputação.”

*Colaboração de Antonio Carlos A. Telles, consultor da WCCA.

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp

Você também pode se interessar por:

NOSSO APLICATIVO: ALFA ZERO

A WCCA – Consultores Associados em parceria com a SprintMind, apresenta o seu aplicativo  ” ALFA ZERO “. Crie um ambiente de Gestão Colaborativa entre o seu RH e a Produção, ajude o seus Gestores a terem visão estratégica do seu ambiente de trabalho.Agende uma apresentação online ou construa um projeto piloto com a nossa

Leia mais >

COMO PREPARAR SUA EMPRESA PARA O MUNDO POS-PANDEMIA?

“Preparing Your Business for a Post-Pandemic World” foi o tema explorado na Harvard Business Review (10/4/2020) por dois professores (1) da  Copenhagen Business School da Dinamarca. Vivemos uma pandemia global com impactos locais, mas os conceitos e práticas fundamentais de gestão são universais. É sempre útil refletir sobre  recomendações de especialistas internacionais, pois as empresas

Leia mais >

LGPD FOI ADIADA DEVIDO AO COVID19

Em toda mudança convém observar prós e contras. É o caso da prorrogação da entrada em vigor da legislação brasileira sobre proteção de dados. Em virtude dos impactos da pandemia, o Senado Federal aprovou na última sexta-feira (3/4/2020) a prorrogação do início da vigência, da Lei Geral de Proteção de Dados –LGPD, de agosto de

Leia mais >

ATENÇÃO RH! NÃO PERCA! É IMPORTANTE!
In Company

CURSO DE FORMAÇÃO SINDICAL PARA GESTORES DE FÁBRICA E DA ÁREA DE RH

A gestão moderna de uma empresa, exige que os gestores e colaboradores da área de RH, utilizem ferramentas adequadas para a administração da gestão sindical no âmbito da empresa e nas relações com o Sindicado.

Objetivos

  • Preparar os gestores para administrarem diariamente as Relações Sindicais e Trabalhistas produzidas por Cipeiros, Dirigentes Sindicais e estáveis.
  • Desenvolver “lideranças”, posicionando-as como administradoras do capital e do trabalho, administrando as insatisfações e os líderes naturais.
  • Capacitar os gestores para o preenchimento dos “espaços vazios” que possam ser explorados pela ação sindical interna.
  • Aumentar a percepção dos Gestores como base para a prevenção de greves.
  • Conscientizar os participantes da vital importância da preparação organizacional para enfrentar as demandas sindicais.
  • Transmitir aos participantes as situações reais vividas pela WCCA em greves e negociações com Sindicatos em diversas empresas, através de conteúdos eminentemente práticos e atuais.

Cadastre-se para receber mais informações: